1 de junho de 2005

Sabedoria Alcione

“Este amor, me envenena. Mas todo amor sempre vale a pena”

Estou tentando tornar esta música um hino com A sabedoria para encarar os relacionamentos humanos. Sabe, daquelas de caderninho adolescente, “quem nunca sofreu por amor, nunca amou!”

“Desfalecer de prazer, morrer de dor
Tanto faz, eu quero mais amor”

Fora que a marrom cantando me dá uma saudade dos velhos tempos, saudades de karaokê, saudades até...de viver quase morrendo de amor. Mentira...disso eu morro de medo.

Estou um pouco constrangida de contar os últimos episódios do caso anterior, fiquei com vergonha da internet e de quem quer que possa estar lendo este blog adolescente, que não sejam vocês.

Só sei que rolou mais um episódio...e conversando com minha amiga Aline, ela me lembrou deste dito popular, desta sabedoria velha, deste clichê, desta máxima, deste ditado, desta expressão, desta maneira de encarara vida. Não que eu consiga, mas vou tentar lembrar dela quando, na minha cabeça, só vierem ideologias neoliberais ou comodistas (vide post anterior)

“Quem não viu e nem provou
Não viveu, nunca amou
Se a vida curta e o mundo é pequeno
Vou vivendo morrendo de amor
AHHHHH! Gostoso Veneno”