28 de janeiro de 2010

Ai minha Santinha!

Santa Cecília, protetora dos batuqueiros,
por favor,abra os caminhos para o bloco passar...

"Eu por mim queria isso e aquilo
Um quilo mais daquilo
Um grilo menos nisso
É disso que eu preciso
Ou não é nada disso
Eu quero é todo mundo nesse carnaval

Eu quero é botar meu bloco na rua
Brincar, botar pra gemer
Eu quero é botar meu bloco na rua
Ginga pra dar e vender"

Sérgio Ricardo

24 de janeiro de 2010

Sabedoria Manoel, o de Barros

Para entrar em estado de árvore é preciso
partir de um torpor animal de lagarto às
3 horas da tarde, no mês de agosto.
Em 2 anos a inércia e o mato vão crescer
em nossa boca.
Sofreremos alguma decomposição lírica até
o mato sair na voz.

Hoje eu desenho o cheiro das árvores.

11 de janeiro de 2010

Extra! Extra!

Mulher chorando é vista em outras paragens!


Uns esculpem, outros fotografam, outros sonham.

A Flor que não Existe desenha pra inspirar a gente a fazer tudo isso!

6 de janeiro de 2010

Uma mulher de pedra que chora.

Da multidão que passa por ali todos os dias poucos notam a mulher.
Se você parar um pouco em frente a ela, e apurar os ouvidos, ela te contará sua história.
Às vezes, o tempo de uma fotografia é suficiente.

Ela me contou, ou eu escutei, que um dia sentara ali para esperar seu homem; um homem que ela conhecia ou que ela queria conhecer - ninguém sabe.
Chegara ali em uma primavera, sentara confortavelmente num banco do páteo em frente ao Museu do Louvre e olhara a multidão. De início, com a coluna ereta, um cruzar de pernas, um olhar afiado. De todos os homens, cada um podia ser ele. Alguns até firmaram seus olhos nos dela, disseram um oi, olharam suas pernas.
Os dias foram passando e alguns homens lhe deixaram flores, outros poemas, mas a maioria passara indiferente por ela.
Entrara o verão e fora embora. Depois o outono e também fora, e com eles tantos outros homens.

Quando eu parei ali para olhá-la e tirar sua foto já era inverno. Ela parecia uma estátua de pedra, encurujada, triste, dobrada sobre o peso das costas e tesa de frio. Parecia até uma escultura. Mas com um pouco de imaginação dava pra escutar sua história e outro tanto de amor se podia escutar os seus suspiros e perceber que suas lágrimas formaram uma poça gelada por entre suas pernas.