26 de fevereiro de 2008

Aquele psicanalistazinho barato que mora dentro de mim perguntou:

_ Será que você não vive uma sequela psicológica dos anos 90?

O grilo falante mala, aquele da consciência que vive perto da orelha, respondeu:

_ Isso é coisa para estar pensando quando falta somente um mês para a prova de doutorado e você deve refletir sobre a formação do blablablabla?

Para variar, chinelei o grilo e entabulei a reflexão com o velho barbudo.

Tudo isso porque decidi assistir sessão da tarde quando passava um dos meus filmes favoritos: Singles.

Pensei no post enquanto assistia o filme, que vi pela primeira vez adolescente.

Além disso naquela época alguém me gravou a trilha sonora numa fita que guardo até hoje.

Sempre que assisto a este filme me dá vontade de colocar minha camisa xadrez e sair ver bandas covers de rock.

Para variar o Post não virou texto direito, pois adoro enumerar.

1. As músicas são excelentes! Eu escuto e lembro até do cheiro do meu quarto na adolescência. Pearl Jam, Allice in Chains e o velho Jimmi

2. O filme começa com um "Stay single, have fun"

3. Tem também coisas engraçadas como a referência aos “relógios agenda”, a síndrome da ampulheta ou o “homem de rabo de cavalo sensível”

4. Tem uma das melhores frases do cinema, para definir o que se espera de um amor: “ Queria alguém que dissesse Deus te abençoe! ou Saúde! quando eu espirrasse”

5. Tem uma fala da atriz que é exemplo de um tipo de pensamento que conheço pouca gente que se livrou (e aqui está a sequela que procurava): “Quando as coisas estão no auge ecomeço a esperar que desabem”

6. E por fim, perto do finalzinho feliz e água com açúcar, está a pergunta que não quer calar: “ Por que você demorou tanto?”

Assistamouçam a musiquinha do Jimmy…ou vão estudar que é melhor.

22 de fevereiro de 2008

Uma homenagem às séries B

Apesar da mitológica classe ser a 5ª série F, no pequeno mundinho da minha escola basta ser "B"
Como uma homenagem a todos os que estão na série B, inclusive meu time, aí vai.

A gente esquece que aquele aluno que grita, bate em todo mundo, dá risada de tudo, faz piadinhas fora de hora, teima em não fazer nada, fala besteira, irrita todo mundo e ás vezes, até dá uns tabefes em professor, é um rebelde.
E eu esqueço, quando estou do ouro lado tentando controlar 50 e falar alguma coisa de história, que eu adoro a rebeldia.
Hoje, nessa sala, um agente da força pública estadual, bem intencionado, veio apresentar o programa de combate ao consumo de "tóchicos".

Foi quando minha aluna de 12 anos, uma rebelde muito engraçada, conclui o que ninguém ousou dizer.

_ Ué, mas polícia também fuma! O que que você está falando?

21 de fevereiro de 2008

Um salve

Nosso amigo cotó, em homenagem aos mutilados pelo trabalho

...para meus velhos companheiros...

Por completarem 60 dias de atraso no trabalho, configurando uma das mais notórias greves brancas já realizadas na iniciativa privada.

Sabedoria Luandino

"Contanto, desculpe: o problema sempre não é esse - se sereia existe. Todo problema é só um teorema: pessoa existe? De verdade mesmo - dono e patrão e escravo, sua vida por conta e risco, livre de nada mais?
A si, confesso: sereia, sereia mesmo, própria quianda cazumbil, quituta de miondona - não existe! O que tem somos nós mesmo divididos e multiplicados, muitos sítios, muitos tempos.
A prova?
Irmão: pessoa sempre não é completa - o que no mundo vive é só a ínfima pior parte. O que nos falta é enorme"

Lourentinho, Dona Antônia de Souza Neto e Eu - Estórias, de José Luandino Vieira

Lá na metrópole podemos encontrar produtos das colônias, mas as colônias estão proibidas de comercializar e trocar entre si, saca?

Ah... se eu fosse marinheira!

De volta para as quintas séries e suas metralhadoras giratórias de perguntas

Sobre as grandes navegações

uma aluna - Mas, mas, mas professora...... quanto tempo eles demoravam de Portugal até o cabo Bojador?

seu amigo, em solidariedade a mim - Calma, Mariana. A professora é professora e não marinheira.

Que pena, devia ser marinheira

"Ah, se eu fosse marinheiro
era eu quem tinha partido
mas meu coração ligeiro
não se teria partido

ou se partisse colava
com cola de maresia
eu amava e desamava
surpreso e com poesia

ah se eu fosse marinheiro
seria doce meu lar
não só o Rio de Janeiro
a imensidão e o mar

leste oeste norte sul
onde o homem se situa
quando o sol sobre o azul
ou quando no mar a lua

não buscaria conforto
nem juntaria dinheiro
um amor em cada porto

Ah se eu fosse marinheiro.."

17 de fevereiro de 2008

Trovão de domingo, de novo

Num site de perguntas cretinas eu descobri, no meio desta chuvarada que arremata o domingo

Ceraunofobia - medo de trovão

Eu morro de medo!

15 de fevereiro de 2008

12 de fevereiro de 2008

Rock the...


Uma segundona digna de última noite de férias.

Depois de uma mesa cheia de garrafas vazias,
de sermos expulsas do bar,
estica pra baladinha ali na Barra Funda.

Cruzei oceano pra ir e voltar e agora fui numa baladinha de dançar.
E o melhor, tocava rockinho daqueles, uísque 12 (reais), e amigos queridos da família mais parceira que conheço.

Ok, tudo pronto para começar o ano letivo!

6 de fevereiro de 2008

Sei que há léguas a nos separar...

Pessoal, estou desatualizada aqui no blog
É pra poder sobrar coisas pra eu contar e mostrar quando eu chegar, daqui a dois dias.

Estou com saudades, mesmo! Quero cerveja e conversas, pra gente escutar as musicas que eu descobri e trocar as coisas que eu pensei. Aqui até que está bem calor, mas ainda nao estou de chinelos.
Já estive em Barcelona e depois mais um pouco em Coimbra. Falei tchao para os amigos que vou demorar pra ver ao vivo de novo, só em julho.

Lisboa é muito linda, e quando vc dobra a esquina você vai entendendo, das pessoas da sua família a um pouquinho do espírito dos brasileiros. Apesar dos fados e seus sofrimentos, os lisboetas sao alegres, engraçados e gentis.

O rio Tejo e uma coisa linda, e aqui ele se confunde com o mar. Cheguei na beira da praia e acenei para vocês. Tomara que vocês tenham visto.