28 de setembro de 2005

“Eloqüência”

Ou “elouqüencia”, que deveria ser a palavra correta, meio relacionado a “louca”, que é como me sinto agora.
Se tiverem que torcer por mim, rezem, peçam, inspirem minha eloqüência para que amanhã, a essa hora, eu já seja uma mestre.

Faz dois dias que não trabalho, que pareço uma louca quente vagando entre computador, cozinha, varanda, rua. Preparo uns parágrafos da defesa, que contou com sete minutos, menos do que o desejado. Já terminei e não gostei do que fiz. Mas o problema está nesta palavra, defender o que se faz é, mas não deveria, ser difícil pra mim. Botei a alma aos bofes.

Preocupada também com a festa, que no fundo é o melhor de tudo, escrevi para os amigos realmente esperando por todos. Liguei para outros de quem não tinha emeio. Foi engraçado, pois de cada um recebi um conselho, um melhor que o outro.

1. Meu professor de inglês, na prova oral que tive hoje: “Breath, remember breath. And...let them wait!”
2. A primeira conversa com Oriana, recém defendida, guerreira pra caralho, levou porrada numa banca de superintelectuais e saiu-se perfeita. “Cuca, você vai ser aprovada, não importa se com louvor, com louvor e distinção, ou com louvor e distinção e indicação para publicação. Pro currículo isso não vale nada. E anote tudo, não fuja das perguntas. A qualificação é pior”. Grandes dicas, me senti melhor por segundos.
3. Du, a segunda conversa: “é só ritual, não é? Fica fria, vai dar tudo certo”
4. César, a terceira: “Todo mundo sabe que é tranqüilo a defesa, que é só um ritual. Menos o cara que faz”. Falou e disse.
5. Do Francisquinho, ao telefone, recém disparando sua eloqüência: “Oi Cuca”. “Que barulho faz o pato, Francisco?” “Au Au”, ele responde. “Então conta pra Cuca ver”, peço. “Um, cato, cinco, sete, deiz”. Quero ter o sem medo de falar dele."Um meijo", mandou ele. que lindo.

Estou eu e uma garrafa de vinho. Sono garantido e inspiração de última hora, porque ainda dá tempo de escrever uma defesa contundente, para uma dissertação nem tanto.

Não importa. Amanhã a esta hora estarei feliz!

PS : Pintei as unhas de vermelho para inspirar confiança, e não roer.