24 de junho de 2006

Anhangá, São Jorge e todas as gentes

Quase dava pra dizer que todo mundo do centro estava ali. Uma multidão de gentes.
Office-boys, manicures, vendedores, enfermeiras, camelôs, contínuos, escriturários, corretores de seguros, agiotas, compradores de ouro, garis, aposentados, funcionários públicos, crianças, bebês, meninos vendedores do farol, moradores de rua. Sem esquecer das meninas do Cine Cairo, que não abandonaram seus postos de trabalho sob a supervisão do cafetão gay que não nos deixou usar o banheiro.
Estava quase todo mundo de verdeamarelo, com aquelas cornetas que nos dá um som de boiada, outras estridentes, outras improvisadas.
O imenso telão lá da frente não dava pra todo mundo. Na nossa frente, duas palmeiras e uma teimosa goiabeira que nasceu no vale do Anhangabaú. Uma das palmeiras ficou tentando sair da frente o jogo inteiro, estava até meio torta...mas com uma visão privilegiada da partida.

Primeiro tempo. A gente meio de canto, pensando nas próximas umahoraemeia em pé. Nos esgueirando entre um sem número de pescoços, cabeças, cabelos e bonés. Sempre tem uma fresta.
Vários lances depois (UH!), o gol do time de azul. Quase todos os comentários que ouvi:
“Viu, o Brasil é uma bosta mesmo!”, do aposentado. “Esse gordo não presta pra nada!”, do moço. “Zico viracasaca!”, da minha amiga. “Timinho de frouxos!”, por um grupo de meninas. “Acabou o jogo, perdemos!”, da minha outra amiga. “Eu sabia!”, de um monte de gente.
Alguns lances depois (UH!). Veio o gol do time de amarelo e branco. Explosão inimaginável que me deu saudade do estádio de futebol. O clima de “Vai, Brasil!” estava de volta, com tudo! Quase todos os comentários que ouvi:
“Somos os melhores do mundo!”, do aposentado. “Vai, gordão!”, do moço. “Chupa, Zico!”, da minha amiga. “Esfrega na cara deles!”, das meninas. “É nóis!”, da minha outra amiga. “Eu sabia!”, de um monte de gente.

No intervalo deu uma esvaziada. Fomos dar uma volta e paramos em frente ao Cine Cairo. Apoiamos na grade pra ver. Todo o vale estava cercado, as partes gramadas e os bancos. A equipe de garis do alto de sua autoridade, afinal ia sobrar pra eles limparem tudo mesmo, ocupava um destes camarotes gramados. Junto com dois seguranças, um meio bêbado que não arredava pé do lugar.
Os garis ensaiavam umas pernadas da capoeira quando duas crianças que vendiam balas pularam a grade pra dentro. Plupt! O segurança que não arredava pé olhou e continuou não arredando. O outro veio cutucar, pra tocar as crianças dali. Este aí segura o menino e o ajuda a passar fora da grade, ele resiste com as perninhas, tentando dizer que ele só queria atravessar pro outro lado. O segurança deixou e eles foram pular pra lá, onde havia mais fregueses e de repente uma visão melhor. Nesse tempo passa em nossa frente, pra dentro da mesma grade, um homem de muletas, com a perna quebrada. O outro segurança continuava lá, fixo na tela como um hipnotizado “Vai, Brasil!”

Segundo tempo. Fomos pro meião, já sem medo de pescoços ou cabeças. Somos todos do mesmo time. Já fazíamos amizade com a vizinhança, agora duas enfermeiras, quatro moças, um velhinho tatuado que olhava feio a cada palavrão que falávamos, uma senhorinha minúscula que catava latas. Depois de alguns lances (UH!), outro gol da equipe amarela e branca. Não pulei e só olhei para os lados. O sorriso da senhorinha que também não pulou me entupiu os olhos de lágrimas. Não, eu não vou chorar por futebol. Mas não era pelo futebol que eu quase havia chorado.
Dali pra frente, todos os UH! Mais dois gols dos amarelo e branco, vários abraços, outras lágrimas, outras cervejas. Final da partida!

Na seqüência, o show do Zeca Pagodinho. Antes, busca por um banheiro lá em baixo do viaduto. Ao lado dos banheiros, a equipe de camelôs que não podia entrar. Churrasco, amendoim, pipoca, cerveja, batida de jurupinga na garrafa pet. Ficamos com churrasco e pipoca. No longo caminho de volta, já dava pra ouvir o bêbado Zeca começando o show, com a música que eu imaginei que, como um bom devoto, ele começaria.

“Vou acender velas para São Jorge. A ele eu quero agradecer!”

Até quase o final do show deu pra ver que o velho mau-espírito Anhangá não mora mais ali.
Ou estava mesmo é assistindo o jogo.

7 comentários:

james disse...

Cqs, eu tamém tava lá (apesar de quase ter sido barrado pelo "sêo" Polícia Militar da entrado que com o seu detector de metal, insistiu que o meu chaveiro era uma arma branca...)

Beijo!

Denilson disse...

Por ter o olho viciado preciso dizer que entrevi pelas frestas do seu texto uma espécie de câmera antropológica descrevendo a fenomenologia popular de uma cidade aturdida com os seus vales cimentados, seus farrapos humanos recebendo a dose diária de ração apaziguante, sob um céu que nos insiste em envenenar, mas a alegria pelejante de quem acredita, tristemente, na possibilidade plausível de mais um título para o Brasil: o país das misérias pisadas devidamente plugadas às misérias piores porque publicitárias. Vai, Brasil, rumo ao hexa na lista dos piores lugares para seres humanos viverem...

Denilson disse...

Cqs, eu não estou amargo, como poderia fazer crer esse meu comentário anterior, estou na verdade é puto com tanta inversão de prioridades, parece que quanto menos podemos, quanto mais precisamos, menos temos condições de priorizar o combate a tantas mazelas que nos cercam, poxa vida! O seu texto "fotografa" um pouco disso, é sugestivo e desce atravessado, daí despertar minha bronca. Siga suas narrativas bem modernistas aliás.

Denilson disse...

Ei, Cqs, aqui não tem como você responder a uma postagem? A gente não tem como "conversar" por esse blospot? Você que comentar também para responder? Que estranho, né? Bom, se for assim, tudo bem, a gente vai vendo como faz. Na verdade, desculpe-me, nem sei se isso é importante, mas achei que fosse. Nos falamos.

Denilson disse...

Não tínhamos combinado que você responderia aqui? Há 3 comentários meus aí sem você dar a mínima, como é que um diálogo se estabelecerá se você não se dispor a continuar a conversa? Ou será que não lhe pareceu que eu esperava continuar? Viu como cair na conversa de surdos é muito fácil hoje em dia, o risco não respeita nem os mais avisados. Uma hora vai rolar conversa, por enquanto estamos, digamos, tateando e procurando, como diria Proust, a melhor embocadura.

Denilson disse...

Fiquei pensando, e lendo os outros comentários do seu blog, e na constatei que, na verdade, eu é que estou errado, as "conversas" não se estabelecem. Depois de uma postagem, o pessoal dá uns palpites, não há meios de terem resposta pelo próprio blog e coisa vai ficando sugerida. Você note que no "zip.net", como há meios para responder ao comentário, o assunto pode progredir ali mesmo, não é? Esse blospot é diferente nisso, por isso queira me desculpar por exigir resposta que não pode rolar bem sem os meios. A gente, no entanto, qualquer hora, encontra um jeito. Até e boas postagens!

be disse...

華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,
酒店經紀,
酒店工作,
酒店上班,
酒店打工,
禮服酒店,
禮服公關,
酒店領檯,
華麗夢想,
夢世界,