6 de abril de 2005

Ciclos

Parece mesmo que a vida humana, mais ancestral, é marcada pelos ciclos. A racionalista é que é linear, progresso, sucesso, idade, hora, dia, ano. A gente vive mesmo no acorda, come, dorme, vê novela, alguns trepam. Nasce o sol e depois a noite chega, não vem falhando há alguns anos.

Por exemplo, acabo de chegar ao fim do meu ciclo menstrual. Sem surpresas de ter sido interrompido por uma fecundação, sem grandes atrasos ou angústias. Só tive que correr (com muletas), para comprar ob antes de ir nadar. Incômodos. Lembrei que eu parei de nadar quando tinha 12 anos e fiquei menstruada pela primeira vez. Meu técnico militar não entendia que eu tinha que faltar uma semana nos treinos, as meninas mais velhas não entendiam como eu não acreditava nelas de que na água não descia e eu não entendia mesmo como eu ia lidar com aquela sanguera uma vez por mês por muito tempo. Parei de nadar, fui jogar vôlei. O ciclo fechou outro dia quando voltei a nadar e minha professora/personal é uma dessas minhas amigas mais velhas da natação. Contei pra ela meus motivos ridículos de ter largado os treinos. Ela conta que também sofria. Hoje ela é campeã, com 31 anos.


Outro ciclo que considero importante é o do Ano Novo. Tenho até inferno astral enquanto eu não garanto um lugar com pessoas muito legais pra ir, meninos pra xavecar, bebidas pra beber.

O mais importante é o do meu aniversário. Que está chegando e eu estou ansiosa pra não dormir numa noite de bebedeira e amizade, como sempre. Espero a presença dos meus amigos pra gente comemorar, 28 anos.

Tem também aquele tal do ciclo de Saturno, a virada. Não sei muito bem, mas me disseram que é dos 28 aos 30 anos que mudanças acontecem. Estou esperando tudo de bom.

Tem também o ciclope e a ciclovia

PS: Muito boa a temporada em Campinas, muito bom o encontro com as amigas e amigos de muito, muito bom o encontro incidental com o meu Marco Ricca.