13 de dezembro de 2005

A resistência tombou (ou temporariamente fora do ar)


Já é sabido que para alguns este órgão aí abaixo funciona como uma esponja em momentos de crise. Sim, tenho amigdalite toda vez que meu desânimo entra em estado crítico.

Dizem os especialistas que as amigdalas (apontadas no desenho aí em cima) são a porta de entrada (fechada ou aberta) para as infecções.

“As amígdalas seriam uma primeira barreira de nosso organismo contra agressões do sistema ambiente.”
(especialistas)

Por falta de uma tive duas amigalites na seqüência, a primeira mal curada porque os antibichóticos são droguinhas para a maioria das bactérias mutantes de hoje. A segunda, curada com injeções. Que bom que eu perdi o medo de agulhas faz tempo.

As “agressões do sistema ambiente” provavelmente referem-se ao fato de que ainda não consegui decidir os próximos passos para um futuro que é quase amanhã. Bem como não consegui decidir um passado quase ontem que entalou na minha aorta.

É mentira, estou decidida a não. Mas, enquanto o futuro não chega, as vezes as manhãs e as tardes ficam vazias e as noites insuportáveis.