25 de março de 2005

Sabedoria Caetano

“Circuladô de fulo ao deus ao demo dará
que deus te guie porque eu não posso guia
e viva quem já me deu e ainda quem falta me dá.”



Estou afastando, certeira, minha ladeira de autocomiseração. As vezes até peço, agora que sou mística, pra que tudo de certo: os empregos dos que precisam, as ameaças de agressão, as trapaças da cabeça, as enganações do coração. Certa disso estou sentada na frente do rio esperando a corrente certa pra começar a nadar..

Também afasto, certeira, a tendência a acreditar no buraco escuro e fantasmagórico em que às vezes se encerra todo mundo, ou melhor, se encerro eu. Parece que está todo mundo, mas está só eu mês, sozinha. Afasto a tendência de não enxergar.

“...que no fim eu acerto que no fim eu reverto que no fim eu conserto e para o fim me reservo e se verá que estou certo e se verá e se que tem jeito e se verá que está feito que pelo torto fiz direito que quem faz cesto faz cento se não guio não lamento pois o mestre que me ensinou já não dá ensinamento.”

Tem um monte de pergunta que eu faço as vezes, que nem hoje. Está parando de doer coisas tão antigas quanto eu. Estou quase sem medo de ficar e esperar.

E se der nervoso e faltar poesia, é só lembrar do nham nham nham nham nham

A Conceição
Pra quem ainda não ficou sabendo, me falou coisas tão certeiras que dá até vergonha de dizer. Eu sou tão criança que não consigo esperar, calma que ele vem, não é nada do que você está pensando, pára com isso, escute o que sopram no seu ouvido, vai dar certo! Em síntese, e eu agora acendo velas.

E domingo acaba a quaresma. Os mortos perambulam, tudo de ruim ta solto, as galinhas não botam ovos. E eu vou de novo no Estouro de Judas, pra ver garantirem a vitória do menos mal.